ilhadenotícias - #anuncie!
whatsapp

(18) 99132.5461

Qual a sua avaliação do Governo Otávio Gomes?

Ótimo - 6.5%
Bom - 11.5%
Regular - 15%
Ruim - 17.8%
Péssimo - 49.3%

Total de Votos: 400
The voting for this poll has ended ligado: 22 Jul 2018 - 00:00

Após reconstituição, Polícia deve concluir inquérito sobre assassinato de universitária até o fim do mês

Douglas Cossi Fagundes
Da Redação

A  imagem foi desfocada à pedido da Polícia Civil 

 

Após a reconstituição do crime, realizada esta semana, a Polícia Civil deve concluir o inquérito sobre o assassinato da universitária Maria Julia Martins Quintino da Silva até o fim de maio. O assassino, Jean Gomes de Menezes Santana, de 28 anos, continua preso.

Para a reconstituição, que não contou com a participação do assassino, a Guarda Municipal bloqueou o trânsito no acesso à viela de 400 do Passeio Batalha, onde o crime aconteceu. A Polícia Militar apoiou a ação.

No local do crime, a Polícia Técnica ouviu testemunhas do crime e reproduziu, passo- a-passo, a dinâmica do crime de acordo com as versões dadas por cada uma. Foram registrados o ângulo de visão de cada testemunha, desde a saída de Maria Júlia, que fica na viela onde ela foi morta, até o local do crime.

Maria Julia e Jean foram interpretados na reconstituição por policiais civis, desde a abordagem feita pelo assassino, as agressões e a fuga. Os trabalhos se estenderam por cerca de três horas.

Com a reconstituição, a Polícia Civil concentra-se na conclusão do inquérito que, de acordo com a delegada do caso, Carolina Tucunduva, deve ficar pronto até o fim de maio. Depois, ele será encaminhado, com os laudos periciais, para o Ministério Público, que deve denunciar Jean à Justiça por feminicídio.

Jean permanece preso e teve a prisão prorrogada por mais trinta dias.


O caso - A jovem foi morta à facadas pelo ex-namorado, a poucos metros do Campus II da UNESP, onde funciona a Zootecnia.

Jean esperou a universitária na esquina entre a viela de 400 do Passeio Batalha e o Passeio Colinas, onde a atacou com um canivete. Ele deu 35 golpes na estudante, atingindo, principalmente, sua costa e pescoço. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O acusado, que é de Ilha Solteira e residia no assentamento Estrela da Ilha, teria tido um relacionamento de três anos com a vítima, encerrado há alguns meses.

Jean, que foi preso em Pereira Barreto depois de dois dias foragido, também teria deixado um cartão junto ao corpo, mas o conteúdo não foi divulgado pela Polícia.


Receba notícias de Ilha Solteira pelo Whatsapp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: 18 99132-5461; 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, informando seu nome


O www.ilhadenoticias.com não autoriza a reprodução parcial ou integral deste texto

Os comentários postados neste texto são de inteira responsabilidade do seu autor, já que estão diretamente ligados a sua conta no facebook

Google+